15 de setembro de 2017

ARREPENDIMENTO Vs. RECONCILIAÇÃO

PARE E PENSE!!!

“ARREPENDIMENTO Vs. RECONCILIAÇÃO”

O estudo desta semana é de extrema importância, ele tem por título: Arrependimento vs. Reconciliação. Isso são duas coisas diferentes. Arrependimento era quando alguém cometia um pecado contra Deus e logo se arrependia. Deus com sua infinita misericórdia atuava em favor deste e o perdoava.

Reconciliação é algo bem diferente, significa que anteriormente ouve uma relação de unidade entre duas pessoas, e por algum motivo, esta relação se desfez. Pode passar algum tempo, estes separados, porém, em um determinado momento, resolvem se unir novamente. A isto chamamos reconciliação. Este fato pode ocorrer com amizades, ou com um matrimônio. Mas o assunto que iremos abordar neste dia, diz respeito à igreja do Senhor. Vamos ver biblicamente, como se desenvolveu este importante tema:

ARREPENDIMENTO Vs. A LEI

O primeiro aspecto a abordarmos é o arrependimento segundo a lei.

Desde então começou Jesus a pregar, e a dizer: Arrependei-vos, porque é chegado o reino dos céus. MATEUS. 4:17.

O que Mateus escreve a respeito de Jesus, parece algo bom, soa como algo correto, por isso em todo lugar chamado igreja assim o fazem. Os líderes chamam as pessoas a frente e dizem o mesmo: Arrependei-vos, porque é chegado o reino dos céus. O que ocorre é que Jesus tinha que falar deste modo, pois o pecado ainda não havia sido tirado.

No antigo pacto, quando alguém cometia pecado, este tinha que fazer sacrifício diariamente para expiação, essa era uma prática comum. Jesus ainda não havia sido sacrificado em favor de muitos.

Outro detalhe importante, é que Jesus quando esteve na terra, ele não pregou graça, ele estava submetido à lei de Moisés; de seus lábios só saiu advertências segundo a lei.

A igreja nos dias de hoje, não deve chamar ninguém ao arrependimento, pois Jesus ao pronunciar desta forma, estava antes da cruz. Já nós estamos depois da cruz. Outro personagem desta época, que veio também a pregar arrependimento, foi João Batista. Veja como Marcos descreve isto, em seu livro histórico:

Apareceu João batizando no deserto, e pregando o batismo de arrependimento, para remissão dos pecados. MARCOS. 1:4.

Este era o pensamento que permeava naquele tempo. Jesus pregou arrependimento, João Batista pregou arrependimento, logo Pedro também assim, pregou. Vamos ao livro de Atos:

E disse-lhes Pedro: Arrependei-vos, e cada um de vós seja batizado em nome de Jesus Cristo, para perdão dos pecados; e recebereis o dom do Espírito Santo; ATOS. 2:38.

O fator comum, que encontramos nestes versos, é que quando se prega arrependimento, todos sem exceção, estão dizendo que o pecado está em pé, logo há a necessidade de se arrepender.

O apóstolo João também escreveu da mesma forma em seu livro, denominado Apocalipse:

Eu repreendo e castigo a todos quantos amo; sê pois zeloso, e arrepende-te. APOCALIPSE. 3:19.

Com apenas estes três versos, já podemos constatar as evidências do por que, em tantos lugares ao redor do mundo, pregarem arrependimento de pecados. Tanto João, como Pedro e os demais, pregavam arrependimento, por que eles viram a Jesus pregando desta forma. Eles seguiam as pisadas, o modelo de seu mestre.

ARREPENDIMENTO Vs. O EVANGELHO

O grande perigo que temos aqui, é que os chamados pregadores de hoje, utilizam isto para manter a muitos neste ritual, por anos e anos. Passem à frente, confessem seus pecados, arrependam-se. Mas, o que diz na carta aos hebreus, capítulo nove, sobre este assunto?

De outra maneira, necessário lhe fora padecer muitas vezes desde a fundação do mundo. Mas agora na consumação dos séculos uma vez se manifestou, para aniquilar o pecado pelo sacrifício de si mesmo.
HEBREUS. 9:26.

Paulo está nos mostrando que, com a morte de Cristo na cruz do calvário, o pecado foi o que? “Aniquilado”! Sendo assim, toda vez que você se ajoelha e olha para os céus, pedindo perdão de pecados, com esta ação, você está querendo dar vida a algo que não existe mais.

Após o sacrifício na cruz, Deus não te vê em pecado, não há mais do que se arrepender. Se caso ofendes a um amigo, um parente, ou, teu cônjuge, aí, há espaço para arrepender-se e lhe pedir perdão, mas a Deus… Jamais!

Poderá perguntar-se: mas, e minhas falhas, e meus erros? E o que cometi ontem, e o que eu fiz na semana passada, isso não é pecado? Não! Isso são falhas que terão consequências em seu viver diário, mas, para Deus estas ações não contam como pecado. Se assim fosse, o que o verso diz aí? Cristo teria que voltar a morrer uma e outra vez, e outra vez, e outra vez…

No velho pacto, na lei, para ter expiação de pecados, era necessário os sacrifícios; tinha que ocorrer derramamento de sangue. Cristo assim o fez uma vez e para sempre. Ele não voltará mais a fazer isto. Hoje a igreja está perfeita; completa; sem rugas e sem manchas.

Iremos agora te mostrar uma evidência bíblica, na qual te mostra o porquê você não deve mais se arrepender, quando pensas que pecou. Na carta de Paulo à igreja de Roma, ele nos mostra qual a nossa posição diante de Deus.

Porque aquele que está morto está justificado do pecado. Ora, se já morremos com Cristo, cremos que também com ele viveremos; Sabendo que, tendo sido Cristo ressuscitado dentre os mortos, já não morre; a morte não mais tem domínio sobre ele. Pois, quanto a ter morrido, de uma vez morreu para o pecado; mas, quanto a viver, vive para Deus. Assim também vós considerai-vos certamente mortos para o pecado, mas vivos para Deus em Cristo Jesus nosso Senhor.

Não reine, portanto, o pecado em vosso corpo mortal, para lhe obedecerdes em suas concupiscências; Nem tampouco apresenteis os vossos membros ao pecado por instrumentos de iniqüidade; mas apresentai-vos a Deus, como vivos dentre mortos, e os vossos membros a Deus, como instrumentos de justiça. Porque o pecado não terá domínio sobre vós, pois não estais debaixo da lei, mas debaixo da graça. ROMANOS. 6:7-14.

Muita atenção a estes versos, o mandamento do apóstolo para nós, é que devemos nos apresentar vivos para Deus. Porém, para que isto ocorra, você tem que estar morto para o pecado. Você não pode estar vivo para Deus dizendo estar em pecado. DIGA! EU ESTOU VIVO PARA DEUS. Se isso é assim, você se encontra morto ao pecado.

A ordem dos versos nos apresenta primeiramente mortos ao pecado, e logo, vivos para Deus. Na morte de Cristo, nós morremos com ele. Como você agora vai se arrepender? Um morto não comete pecado, o que pode reinar aí, é a tua carne. O teu espírito está vivinho para Deus, e este, jamais se contamina com suas atitudes carnais.

Paulo em sua carta aos hebreus traz mais uma evidência. Aí te diz claramente o porquê não termos mais que se arrepender.

Por isso, deixando os rudimentos da doutrina de Cristo, prossigamos até a perfeição, não lançando de novo o fundamento do arrependimento de obras mortas e de fé em Deus, HEBREUS. 6:1.

No primeiro verso deste estudo, apresentamos a Jesus pregando o que?  “Arrependimento”! Mais aí, o que diz? Que devemos deixar os rudimentos da doutrina de quem? De Cristo, e isto, está escrito assim? Lá, ele pregava lei, condenação. Aqui, (novo pacto) já não há mais espaço para esta prática.

Outra particularidade deste verso: não lançando de novo o fundamento do arrependimento de obras mortas. Não lançando outra vez. E quando foi a primeira vez que se falou disto? Você acabou de ver as evidências: Jesus, João Batista, Pedro, João… a ordem é clara, é enfática: não me apresente novamente este fundamento de arrependimento. Heloooooooo!!!!

E o que vem a ser uma obra morta? Significa que, você pensa que tem algum valor para Deus, mas não vale de nada. Arrependimento é uma obra morta. Se o pecado foi aniquilado, e você vai diante de Deus a pedir-lhe perdão, Ele ignora esta atitude. Para Deus, esta ação, é uma obra morta.

O pensamento de Deus em relação ao que estamos te expondo, funciona assim: eu fui à terra, me meti em um corpo de carne, e estive aí por trinta e três anos. Nesta minha ida, cumpri a lei por você; batizei- me por você; tomei santa ceia; destruí ao diabo; derramei meu sangue para te justificar e agora te vejo aí de joelhos? Não quero nem saber deste assunto! O que eu tinha para fazer por ti, já o fiz a mais de dois mil anos.

Na carta de Paulo aos coríntios, temos um verso de extrema importância sobre o que estamos a dissertar.

Porque a tristeza segundo Deus opera arrependimento para a salvação, da qual ninguém se arrepende; mas a tristeza do mundo opera a morte. 2ª CORÍNTIOS. 7:10.

Aí está dizendo, que a tristeza que Deus produz, opera arrependimento para salvação, porém, também te diz que você não tem que se arrepender de nada. O que significa isto? Preste atenção! O Espírito de Deus habita em nós, DIGA: O ESPÍRITO DE DEUS ESTÁ EM MIM.

Ao você falhar, ou ofender a alguém, este Espírito produz em ti uma dor, você se sente mal, fica triste. Porém, este mesmo Espírito, te impede que entres em arrependimento para com Deus.
Quando você entra em condenação e vai pedir perdão, aí entra a revelação… Heloooo! Vou me arrepender do que, se o pecado já foi tirado? Se for com algum irmão, vá, lá, e se acerte com ele. Agora, para com Deus, repouso, amigo! Não há condenação, não há do que se arrepender!

É? Então vou sair por aí soltando os bichos. É “contigo mesmo”! Vais ter umas “dorezinhas” de cabeça, vais passar uns “fornaços”, mas, você e Deus, tranquilo! Você não está mais em inocência, sua mente foi aclarada, agora é você com você mesmo. “Te acertes aí, Bob”!

O MINISTÉRIO DA RECONCILIAÇÃO

Veja o que a igreja está chamada a apresentar ao mundo:

E tudo isto provém de Deus, que nos reconciliou consigo mesmo por Jesus Cristo, e nos deu o ministério da reconciliação; 2ª CORÍNTIOS. 5:18.

Muitos que vivem nestes lugares chamados de igreja, questionam-se uns aos outros da seguinte forma: Irmão qual é o teu ministério? Meu ministério é de profecias, ah! O meu, é de falar em línguas, e o teu irmão? Eu sou da revelação, eu vejo o íntimo, vejo o interior das pessoas, eu olho e vejo o pecado nelas. Logo, as chamo ao arrependimento. Mas Paulo, está dizendo aí nesta carta, que a nós, foi dado o ministério da reconciliação. Fora, com este assunto de arrependimento. Aqui, neste pacto, não cabe estas coisas. DIGA BEM FORTE: EU TENHO UM MINISTÉRIO! O MINISTÉRIO DA RECONCILIAÇÃO.

E o que vem a ser o ministério da reconciliação? Verso dezenove:

Isto é, Deus estava em Cristo reconciliando consigo o mundo, não lhes imputando os seus pecados; e pôs em nós a palavra da reconciliação. 2ª CORÍNTIOS. 5:19.

Veja que lindo! Deus estava em quem? Leia o verso novamente, será que este ministério é importante? É tão importante, que Deus se meteu em Cristo. DIGA: DEIDADE.

Ele estava em Cristo reconciliando o mundo, para não levar mais em conta, os pecados de ninguém. E não parou por aí, após ter feito isto, nos entregou uma palavra, olha, não é qualquer palavra, é a palavra da reconciliação. Ele pôs em nós um ministério, o ministério da reconciliação. Então, o teu chamado é imitar a Deus. Um homem, ou uma mulher que não exercita isto, e vivi por aí a pôr condenação nas pessoas, esse ou essa, não tem o respaldo divino, pois Deus não está condenando a mais ninguém. Quer mais evidências? Verso vinte:

De sorte que somos embaixadores da parte de Cristo, como se Deus por nós rogasse. Rogamo-vos, pois, da parte de Cristo, que vos reconcilieis com Deus. 2ª CORÍNTIOS. 5:20.

Aqui entra uma responsabilidade ainda maior, o verso diz que nós somos embaixadores de Cristo, ser um embaixador é representar a um governo. O mais sério aqui, é que neste governo, Deus não leva em conta os pecados. Sendo assim, ao abrir a sua boca, e você sendo um embaixador de Cristo, tens que pregar o mesmo. Note o peso que tem isto! É como se Deus rogasse por nós. E qual é o rogo de Deus? Não levem em conta pecados; não chame a ninguém, para se arrepender!

Deus já se reconciliou com sua igreja, não imputando pecados sobre ela. Nosso chamado agora é reconciliar-se com ele. Como devo proceder para que isto ocorra? Exercite em sua mente o que diz o evangelho. E o que diz o evangelho? Já estamos perfeitos; com uma única oferta fui justificado para sempre.

CONCLUSÃO

Encerrando este maravilhoso estudo, vamos a mais duas evidências onde claramente veremos o processo de reconciliação que Deus teve conosco.

A vós também, que noutro tempo éreis estranhos, e inimigos no entendimento pelas vossas obras más, agora contudo vos reconciliou. COLOSSENSES. 1:21.

Porque se nós, sendo inimigos, fomos reconciliados com Deus pela morte de seu Filho, muito mais, tendo sido já reconciliados, seremos salvos pela sua vida. E não somente isto, mas também nos gloriamos em Deus por nosso Senhor Jesus Cristo, pelo qual agora alcançamos a reconciliação. ROMANOS. 5:10,11.

A conclusão que chegamos é esta: se ele nos reconciliou é por que um dia já estivemos com ele, você sempre foi de Deus. Podemos assim dizer que ocorreu aí um “acidente” de percurso, algumas situações ocorreram e este casamento um dia se desfez, mas em determinado dia, Deus se põe a pensar: Vou “refazer”; vou “restituir”; irei “restabelecer” esta união com aquilo que é meu. E assim ele fez, por meio de seu véu, Jesus Cristo.

Você é um abençoado!!!

www.institutoeducacionaljlm.com.br

Para solicitar estudos, escreva-nos: estudosparepense@gmail.com

Curta nossas páginas no Facebook:

JH CALQUEOS https://www.facebook.com/JH-Calqueos-267765700080161/.

LOUVORES EM GRAÇA – https://www.facebook.com/Louvores-EM-GRA%C3%87A-547150175483721/.


Você é nosso visitante número: visitas